Comunidade de Angola abre Festa de Nossa Senhora Aparecida

A Comunidade do Sítio Angola pertencente a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição de São Mamede abriu na noite desta quinta-feira (03) a Festa de Nossa Senhora Aparecida.

A capela fruto do sonho de toda a comunidade é dedicada a Virgem Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil encontrada por pescadores nas águas do Rio Paraíba do Sul no estado de São Paulo no ano de 1717.

A novena de abertura da Festa de Nossa Senhora Aparecida foi presidida pelo Ministro da Palavra Carlos Ferreira e acompanhada por toda a comunidade que trazia em seu coração um misto de sentimentos: alegria e dor.

O sentimento de alegria em festejar sua padroeira e ao mesmo tempo de dor, pois poucas horas antes do início da festa celebraram as exéquias de um membro da comunidade, entretanto com a Fé no Cristo Ressuscitado encontraram forças para este momento.

O novenário se estenderá até o dia 12 dedicado a Nossa Senhora Aparecida e dia das crianças sempre às 19h na Capela localizada às margens da BR 230 que ficou bastante conhecida após acolherem por sobre um lajedo o Bispo Diocesano em sua chegada a Diocese de Patos.

“Sinto-me lisonjeado ao abrir a Festa da Mãe Negra” foram estas as primeiras palavras do Ministro da Palavra ao fazer menção a particularidade e simbologia de um negro abrir a festa daquela que traz em sua imagem a cor negra.

Fazendo ressoar as palavras do evangelho do dia ainda destacou que o envio dos discípulos de dois em dois para anunciar a boa nova faz – nos refletir que ainda hoje “a messe é grande e poucos os operários”.

É preciso ter a Fé de Maria e na simplicidade ser um promotor da Paz, da Justiça e do Amor construindo entre nós sementes do Reino de Deus inaugurado por Jesus.

Num clima de grande alegria, esperança e fé a novena foi encerrada com a veneração a imagem de Nossa Senhora Aparecida ao som do seu hino motivada pelo Ministro da Palavra que exortou: “A mãe quer estar próxima de seus filhos e estes por sua vez não devem deixar de colocar-se aos seus pés”.

Denise Lucena – Pascom Diocesana

Comentários fechados.